domingo, 3 de agosto de 2014

DENGUE - ALERTA

ALERTA MÁXIMO - AMEAÇA da DENGUE  (clique sobre as imagens abaixo p/ ampliá-las)

por PAULO ANIBAL G. MESQUITA
A cada ano, com a chegada da estação mais quente e, por conseqüência das chuvas, aumenta a preocupação do brasileiro com o retorno da epidemia de dengue. Isso porque é nessa época quente e úmida reúne todas as condições favoráveis para a proliferação do mosquito transmissor, o Aedes aegypti, onde a presença de água é fundamental para sua existência, pois é o meio pelo qual ele se utiliza para completar o seu ciclo evolutivo. Outro fator decisivo é a temperatura, que ao redor de 25ºC, corresponde ao desenvolvimento mais rápido e ao maior número de descendentes. Portanto a população tende a aumentar nas épocas de primavera e verão.
UM ALERTA À TODOS:
Atualmente temos circulando nas cidades brasileiras os vírus da dengue tipo 4, que não existia até alguns meses atrás e também temos o retorno do tipo1. Fato que de forma global pode aumentar em muito os casos da dengue. Infelizmente para o próximo ano, podemos “prever” que podemos ter uma epidemia ainda maior. Em 2011, foram registradas por volta 310 mortes por dengue no Brasil até julho e segundo o último levantamento da Secretaria de Vigilância em Saúde do ministério, foram notificados 715.666 casos de dengue no país de janeiro ao início de julho. Segundo as estimativas houve por volta de 8.100 pacientes que foram internados este ano. Levantando os dados de 2005 e 2011, pelo menos 1.500 pessoas morreram por dengue hemorrágica, a forma mais grave da doença. A Região Sudeste concentra o maior número de casos notificados (47%), seguida do Nordeste (22%), Norte (15%), Sul (8%) e Centro-Oeste (7%). Um mesmo paciente pode adquirir os quatro sorotipos ao longo da vida. O sorotipo 4 não é mais grave que os demais: todos eles provocam a dengue.
Atualmente conhecemos 4 sorotipos: Den1, Den2, Den3 e o Den4. O mosquito adulto costuma viver próximo dos locais onde se reproduz, com hábitos diurnos e sugam seiva de vegetais, mas para a manutenção dos ovos, a fêmea é hematófaga, isto é, alimenta-se de sangue. A cada postura, a fêmea pode eliminar 200 mil ovos por vez, após três dias ocorre à eclosão dos mesmos liberando as larvas numa água armazenada ( por ex. em vasos, pneus, reservatórios, latas, garrafas, etc.) e em dez dias a larva torna-se uma mosquito apto ao vôo. Porém, o mosquito só vai se tornar um vetor após ingerir sangue infectado aí, então, o arbovírus vai localizar-se nas suas glândulas salivares, onde se multiplicará após 8 à 12 dias de incubação ficando assim, o mosquito infectado para o resto da sua vida, até oito semanas. Ao picar o ser humano, os sintomas aparecem, em média, após seis dias (período de incubação) –

OS SINTOMAS:
 Fortes dores musculares
 Febre alta (em geral 39 a 40° C)
 Dores de cabeça
Mal estar e “moleza” (Aparência “dengosa”)
 Artralgia (Dores nas articulações)
Dores abdominais
 Vômitos em alguns casos
 Manchas avermelhadas na pele, que pode ser um indicativo da forma hemorrágica.
Porém, nos casos de infestação por um sorotipo diferente do vírus em alguém que já teve dengue,pode ocorrer uma evolução rápida para a forma hemorrágica do dengue,que além dos sintomas citados, há manifestações hemorrágicas graves,hepatomegalias e insuficiência circulatória;isso devido à alteração da coagulação sanguínea, plaquetopenia e coagulação intravascular disseminada de alta gravidade, causando insuficiência circulatória (choque) e morte.

MEDIDAS PREVENTIVAS URGENTES
Para controlar a população de mosquitos é necessário evitar os criadouros. Há medidas no âmbito do poder público e medidas referentes aos munícipes. Por conta do município fica a supervisão e tratamento de galerias de águas pluviais, rede de esgoto, valetas, obra em construção e cemitérios.
A participação da população é fundamental e consiste em:
• Evitar água parada exposta, limpa ou suja, em quaisquer recipientes como: caixas d'água, latas, garrafas, jarros, copos, pneus, pratos de vasos, tambores, fossas, valetas, piscinas sem tratamento;
• Não jogar materiais inservíveis em córregos, obstruindo-os, pois a água fica parada e pode servir de criadouro para mosquitos;
• Sempre colocar areia grossa nos pratos de vasos de plantas, evitando que esta se torne um criadouro;
• Acondicionar alimentos em potes ou outros recipientes em tampas bem fechadas;
• Vedar totalmente caixas d'água;
• Não jogar materiais inservíveis em terrenos, pois podem acumular água da chuva e servir de criadouro, como pneus, bacias, recipientes, sendo até que uma tampinha de refrigerante pode servir de criadouro de larvas
ALERTA IMEDIATO (ATENÇÃO):~HOJE NÃO ADIANTA SÓ TIRAR A ÁGUA DOS RECIPIENTES, MAS É PRECISO LAVÁ-LOS ESFREGANDO com uma ESPONJA, POIS os OVOS podem RESISTIR POR SEMANAS e até MESES GRUDADOS na PAREDE INTERNA dos FRASCOS. APÓS JOGAR A ÁGUA FORA é PRECISO LAVAR BEM OS POTES/RECIPIENTES
.Clique no "folder" abaixo para ver ampliado.

OBSERVAÇÃO
"UMA LUZ NO FIM do TÚNEL"- em recente divulgação por pesquisadores do laboratório Sanofi Pasteur América Latina no último dia 19 de outubro de 2011;
Uma vacina que pode erradicar dengue em 2014
Vacina contra doença é testada em voluntários de 5 capitais brasileiras (Goiânia, Vitória, Campo Grande, Natal e Fortaleza). Se for aprovada pode entrar no mercado em 2014. Os voluntários possuem idade entre 9 e 16 anos e moram em áreas de risco. Hoje, o único método de prevenção é combatendo o mosquito transmissor do vírus (o Aedes aegypti), com inseticidas e eliminação seus criadouros.
A vacina é composta por 3 doses, que devem ser dadas com intervalos de seis meses. Dois terços dos pacientes vão receber a vacina e os demais tomarão placebo (substância sem efeitos no organismo). O objetivo da pesquisa é apurar quais crianças e adolescentes terão dengue e para que a vacina seja aprovada, o número relativo de casos de dengue entre os voluntários que tomaram a vacina precisa ser, no máximo, 30% do número de casos entre os que receberam as doses do placebo.